Notícias

Prefeitura lança campanha "Só tenha os filhos que puder criar"

Ação tinha como objetivo gerar uma reflexão sobre a responsabilidade de trazer um ser humano ao mundo

29 de Junho de 2018
Foto Projeto
Crédito: reprodução Facebook

"Só tenha os filhos que puder criar". Este é o slogan da campanha de planejamento familiar da prefeitura de Quaraí, no Rio Grande do Sul, que tem causado polêmica. Um outdoor foi fixado ao lado do hospital da cidade e um banner foi publicado na página da prefeitura na rede social Facebook com os seguintes questionamentos: "não tem condições emocionais, pessoais e econômicas? Pense bem antes de ter filhos #AEscolhaÉSua".

Situada na fronteira com o Uruguai, a pequena cidade gaúcha, que tem 23.532 habitantes, registrou 268 nascimentos em 2016, conforme os dados do DataSUS. Destes, 40 bebês foram gerados por mães adolescentes, entre 15 e 19 anos. "Nossa intenção era gerar uma reflexão sobre a responsabilidade de trazer ao mundo um ser humano. Chegamos à conclusão de que deveríamos ser mais incisivos, porque o acesso aos métodos está aí", disse Fabiana Saldanha, secretária municipal de Saúde.

A prefeitura disponibiliza gratuitamente, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), anticoncepcionais orais, injetáveis e DIU para as mulheres. Qualquer cidadão pode retirar camisinhas nos balcões dos postos. No que diz respeito aos procedimentos para homens, a vasectomia não está habilitada para ser oferecida pelo município por meio do SUS, mas a prefeitura custeia o procedimento particular caso se comprove falta de recursos financeiros, de acordo com Saldanha.

Para o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers), Fernando Matos, a campanha é bem-vinda. "O Cremers vê com muito bons olhos essa campanha, que incentiva o planejamento familiar. Hoje o código de ética médica dá muita ênfase à autonomia do paciente, os médicos são obrigados a respeitar a maneira de pensar do paciente, por isso a campanha não tem nenhum problema, ela faz com que as pessoas pensem a respeito", afirma.

Além das questões econômica e social, é preciso refletir sobre o impacto de mais pessoas exaurindo os recursos naturais do planeta. Segundo especialistas em sustentabilidade, atualmente a humanidade precisa de 1,7 planeta para suprir os recursos que consome dos ecossistemas da Terra. O Dia da Sobrecarga da Terra, data em que todos os seres humanos do mundo acabam com os recursos necessários para viver de maneira sustentável por um ano, acontece cada vez mais cedo. Em 1987, o Dia da Sobrecarga aconteceu em 9 de dezembro. Em 2017, esgotamos os recursos no início de agosto.

De acordo com Saldanha, seis meses após o lançamento da campanha, o objetivo foi atingido, apesar das polêmicas. Ela salienta que até mesmo outros municípios entraram em contato com a prefeitura para saber como tinha sido a receptividade e como havia sido realizada a campanha.

Para Dalce Ricas, superintendente da Amda, a iniciativa é louvável, corajosa e pioneira. "O mundo deve encarar que a superpopulação é a maior bomba relógio que ameaça o futuro da espécie humana pela degradação total dos recursos naturais e que sociedades sadias são compostas por pessoas felizes. Gerar e criar filhos é responsabilidade pessoal, social e ambiental", disse.