Espécie da vez

O colorido araçari-castanho

Ave gosta de se banhar nas bromélias, no alto das árvores, e alimenta-se de ovos e filhotes de outros pássaros

Foto Institucional Araçari-castanho nas margens do Rio Tijuco / Crédito: Ricardo Urias
14 de Fevereiro de 2013

Com um grande bico multicolor, o peito amarelo, recortado por uma faixa horizontal e contrastante vermelha, o araçari-castanho (Pteroglossus castanotis) encanta os olhos. Esse ilustre exemplar da rica fauna brasileira, geralmente, mede cerca de 43 centímetros de comprimento e é a espécie mais conhecida entre os araçaris do Brasil central e oriental.

 

O araçari-castanho também é encontrado na Colômbia, Bolívia, Argentina. Por aqui, pode ser visto nos Estados do Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Apesar de não estar em extinção, é uma ave difícil de ser vista, uma vez que habita a mata alta, sobretudo nas copas, como a maioria de seus congêneres (Pteroglossus) e tucanos, e ao longo de rios margeados por mata de galeria. Costuma frequentar matas de várzea e de terra firme, buritizais, Cerrados, Matas Secas, ilhas fluviais, capoeiras e plantações. Uma curiosidade sobre ele diz respeito a seus banhos, feitos em bromélias, no alto das árvores, que ficam cheias durante as chuvas.

 

Em geral, a reprodução dessa espécie ocorre entre a primavera e o verão e eles chocam apenas dois ovos. As aves nidificam e põem seus ovos em ocos de árvores e cupinzeiros, onde normalmente já foram utilizados por outras aves, tal como pica-paus.

 

Sua alimentação é variada: gosta tanto de frutas quanto de carne; além de apreciar ovos e filhotes de outros pássaros. Seu enorme bico, apesar de forte, é muito sensível. Contudo, é também de grande eficiência, podendo trabalhar até com pequenos frutos.

 

Espécie

 

O araçari-castanho é uma ave Piciforme da família Ramphastidae. Ele se subdivide em duas espécies. Umas delas é a P. c. castanotis que habita na Venezuela, Guianas e Brasil - ao norte do Rio Amazonas; Amazonas, Roraima, Pará, Amapá. Suas principais características são cabeça preta, calções marrons escuros e região pós-ocular azulada.

 

Já o P. c. australis ocorre na Bolívia, Paraguai e Argentina. No Brasil, pode ser encontrado ao sul do Rio Amazonas; Amazonas, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Tem os lados da cabeça e calções marrom-castanhos.

 

No país existem 20 espécies da família Ramphastidae, como Aulacorhynchus derbianus; Tucaninho-verde; Chestnut-tipped Toucanet; Pteroglossus castanotis; Araçari-castanho; Chestnut-eared Araçari; Pteroglossus aracari e Araçari-minhoca.

 

Curiosidade

 

Um exemplar do araçari-castanho foi mascote de Helmut Sick, ornitólogo e naturalista alemão, quando participou, com os irmãos Villas-Boas, da Expedição Roncador-Xingu-Tapajós, criada pelo governo federal, no início de 1943, com o objetivo de conhecer e desbravar áreas do oeste brasileiro para escolher locais para construção de futuras cidades.

 

A ave foi presente de um índio Kamaiurá e, pelos costumes dessa tribo, seria uma ofensa recusar. "Um dia me apareceu Sawa-Kabá, um Kamaiurá de meia-idade, com um filhote de araçari. Ofereceu-me a ave, que ele chamava de Tukani, e eu, não podendo resistir, dei-lhe em troca um bonito facão. Tukani, que significa tucano pequeno, é o nome dado pelos índios a esses parentes menores dos tucanos, que, como eles, aninham-se em ocos de árvores. Um filhote de araçari é algo de considerável valor, já que nem para um índio é fácil localizar e alcançar seus ninhos na mata virgem e alta".

 

 

Fontes:

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ara%C3%A7ari-castanho

http://www.dicionarioinformal.com.br/ara%C3%A7ari-castanho/

http://www.terradagente.com.br/fauna/0,0,2,190;4,aracari-castanho.aspx

http://www.flickr.com/photos/22551294@N08/6239796852/

http://wikiaves.com.br/aracari-castanho

http://www.aultimaarcadenoe.com.br/tucanos-e-aracaris-do-brasil/

http://www.trilhasdoaracari.com/aracari-banana/

Agenda

Casa Autossustentável: É Possível?
Terça ambiental
04 de Julho de 2017