Nova espécie de marsupial é descoberta na região mais desmatada da Amazônia

Crédito: Thiago Semedo

Nome científico do animal, Marmosops marina, é uma homenagem a ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.

Pesquisadores da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) descobriram uma nova espécie de marsupial no arco do desmatamento, região com os maiores índices de destruição da Amazônia, localizado entre o norte do Mato Grosso e sul do Pará. Por sua área de ocorrência sobrepor a fronteira agrícola que mais sofre com desmatamento ilegal no Brasil, a espécie pode estar correndo grande risco.

A espécie foi descrita pelos pesquisadores Claudilívia Ferreira dos Santos, Luan Gabriel Lima-Silva e Rogério Vieira Rossi, da UFMT, e Ana Cristina Mendes de Oliveira, da Universidade Federal do Pará (UFPA). A descoberta do animal, que mede cerca de 13 centímetros (sem contar com a cauda) e pesa menos de 32 gramas, foi publicada na revista científica Zootaxa.

“A nova espécie ocorre ao sul do rio Amazonas, na bacia do rio Tapajós, incluindo os rios Teles Pires e Juruena que são constantemente ameaçados pelo garimpo ilegal e construções de usinas hidrelétricas”, explicou Claudilívia.

Batizado de Marmosops marina, o nome científico do marsupial é uma homenagem a ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. A escolha se deve ao trabalho da ambientalista na defesa do meio ambiente, principalmente entre 2003 e 2008, quando ela assumiu o comando da pasta ambiental e a Amazônia teve as menores taxas de desmatamento.

Em sua conta no Twitter, Marina Silva agradeceu, demonstrando grande admiração pelo trabalho dos cientistas. ''Nasci e cresci na floresta e tenho dedicado minha vida à defesa da natureza e à luta por um modo de desenvolvimento humano baseado no respeito ao meio ambiente. Uma homenagem dessas representa, para mim, o reconhecimento de minha identidade e de meu trabalho”, declarou.

A ex-ministra aproveitou para denunciar os rumos que tem tomado a política ambiental brasileira, que impõe crescentes dificuldades para os cientistas e pesquisadores. Para ela, "é desalentador que o país de maior biodiversidade do planeta dê tão pouca atenção ao trabalho de conhecer e proteger seu grande tesouro”.

A espécie

O marsupial costuma ficar em cima de ramos em árvores, cipós e pelo chão. Seus pelos são marrons acinzentados e o ventre é esbranquiçado. Os pesquisadores acreditam que as suas principais fontes de alimento são frutas e insetos. A espécie não possui marsúpio, bolsa externa que fica localizada na região abdominal das fêmeas para abrigar seus filhotes.

Rua Antares, 100, Santa Lúcia
Belo Horizonte / MG CEP: 30360-110
Telefone: (31) 3291 0661

Assine e receba as novidades e notícias sobre nossas ações, eventos e meio ambiente