Array
Notícias

Lei busca regularizar venda de animais em estabelecimentos comerciais em Belo Horizonte

Array
Lei busca regularizar venda de animais em estabelecimentos comerciais em Belo Horizonte
Atualmente

Projeto de Lei do vereador Osvaldo Lopes (PHS) quer regular a venda de animais em ruas, praças, parques, petshops, feiras, shoppings e clínicas veterinárias. A proposta foi aprovada na Comissão de Legislação de Justiça (CLJ) da Câmara Municipal no dia 6 de junho.

De acordo com o texto do PL 253/2017, os canis, gatis e criadouros de BH só poderão vender os animais após a obtenção do alvará de localização e funcionamento junto à Prefeitura. Além disso, os estabelecimentos deverão, obrigatoriamente, ter profissionais responsáveis registrados e em dia com os Conselhos de Classe.

Os estabelecimentos deverão conter, ainda, um relatório discriminado de todos os animais nascidos, comercializados, permutados, doados ou entregues à comercialização. Caso as determinações sejam descumpridas, o PL prevê advertência por escrito, multas, apreensão de equipamentos, suspensão de atividades e sanções de direito.

De acordo com o autor da proposta, o PL visa o estabelecimento de regras ao comércio, reprodução, criação, compra e venda de animais na capital.

“Há tempos que a matéria necessitava de um enfoque que permitisse alguma abordagem ou regulação. A proposição traz mecanismos para que o município obtenha o controle da comercialização. Desta forma, visando o controle sanitário mais eficiente e o bem-estar animal”, afirmou o vereador Osvaldo Lopes.

Histórico

Não é a primeira vez que uma proposta tenta barrar a venda de animais em BH. Em novembro de 2016, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) contra 26 comerciantes de animais vivos no Mercado Central. O juiz da 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Municipal de Belo Horizonte, Rinaldo Kennedy Silva, concedeu parecer favorável, suspendendo a venda e determinando a retirada dos animais que estavam no local. Entretanto, cerca de 15 dias depois da decisão, ainda em novembro, algumas lojas conseguiram liminar para voltar a permissão das vendas, que nunca chegaram a deixar de acontecer. Atualmente, ainda é possível comprar animais no Mercado Central.