Array
Notícias

Brasil terá três novos sítios Ramsar

Array
Brasil terá três novos sítios Ramsar
Parque Nacional de Anavilhanas / Crédito: Andre Zumak

O Brasil aprovou, junto à Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional, três novas propostas para sítios Ramsar. O Parque Nacional de Anavilhanas (AM), o Parque Nacional do Viruá (RR) e a Estação Ecológica do Taim (RS) serão os novos sítios, aumentando de 13 para 16 o número de áreas reconhecidas pela convenção internacional. A certificação ocorrerá ainda no primeiro semestre de 2017, em data a definir.

Essas áreas são reconhecidas como zonas úmidas, pois agem como uma esponja natural que absorvem e armazenam excessos de chuva e reduzem as enchentes. Durante o período sem chuva, elas liberam a água armazenada, atrasando o início das secas e diminuindo a falta de água. Áreas Úmidas são ecossistemas na interface entre ambientes terrestres e aquáticos, continentais ou costeiros, naturais ou artificiais, permanente ou periodicamente inundados ou com solos encharcados. As águas podem ser doces, salobras ou salgadas, com comunidades de plantas e animais adaptados à sua dinâmica hídrica.

Com o intuito de promover ações de conservação e uso racional desses ecossistemas, foi estabelecida, em 1971, a Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional, mais conhecida como Convenção de Ramsar. O Brasil aderiu à convenção em 1996.

A inclusão de áreas na Lista de Ramsar permite a obtenção de apoio internacional para o desenvolvimento de pesquisas, o acesso a fundos internacionais para financiamento de projetos e criação de um cenário favorável à cooperação internacional. Em contrapartida, o país assume o compromisso de manter as características ecológicas dos sítios e deve atribuir prioridade para sua consolidação diante de outras áreas protegidas, conforme, inclusive, previsto no Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas.

Novos sítios

Os novos sítios Ramsar brasileiros estão localizados em áreas úmidas da região amazônica e no litoral sul do país.

Parque Nacional de Anavilhanas (AM)

O parque é Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera pela Unesco, e uma das 16 unidades de conservação federais consideradas prioritárias para estruturação da visitação por parte do ICMBio. De grande beleza cênica, apresenta formações florestais diversas, como floresta ombrófila densa, igapó, campina e campinarana, caatinga-gapó e chavascal, além de ecossistemas fluviais e lacustres. O arquipélago fluvial, com mais de 400 ilhas, representa 60% da unidade, enquanto a porção de terra firme representa 40%. Cerca de 70 lagos desenham a paisagem com formatos elípticos alongados.

Parque Nacional Viruá (RR)

É a unidade de conservação com maior riqueza de espécies de vertebrados registradas no Brasil (mais de 1,2 mil), com populações de 119 espécies de mamíferos, 531 de aves, 71 de répteis, 47 de anfíbios e 500 espécies de peixes. A diversidade da flora está estimada em mais de 4 mil espécies. Em 2014, foi o parque nacional da Amazônia mais pesquisado e o terceiro na taxa anual de recebimento de turistas. O parque realiza programas de combate a incêndio, monitoramento da biodiversidade, ecoturismo de base comunitária, controle da caça de tartaruga no rio Amazonas, além de campanhas e programas educativos.

Estação Ecológica de Taim (RS)

A unidade se destaca pelas praias, falésias, sistema de banhados e áreas alagadas. É uma das zonas úmidas mais ricas em aves aquáticas da América do Sul, contando com espécies residentes, nidificantes e invernantes. Por ser um dos remanescentes deste tipo de ecossistema, tem grande valor como patrimônio genético e paisagístico. O banhado do Taim possui uma função muito importante para manutenção do equilíbrio ecológico da região, como a produção de alimento, a conservação da biodiversidade, a contenção de enchentes e o controle da poluição. Os processos mais importantes nesse ecossistema são a geração de solo, a produção vegetal e a estocagem de nutrientes, água e biodiversidade.

Conheça os outros 13 sítios Ramsar brasileiros:

– Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses (MA)
– Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense (MA)
– Parque Estadual Marinho do Parcel de Manuel Luiz (MA)
– Parque Nacional do Araguaia – Ilha do Bananal (TO)
– Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS)
– Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense (MT)
– Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal (MT)
– Reserva de desenvolvimento Sustentável Mamirauá (AM)
– Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Rio Negro (MS)
– Parque Nacional Marinho dos Abrolhos (BA)
– Parque Estadual do Rio Doce (MG)
– Parque Nacional do Cabo Orange (AP)
– Reserva Biológica Atol das Rocas (RN)