Array
Notícias

Branqueamento mata 70% do maior recife de coral do Japão

Array
Branqueamento mata 70% do maior recife de coral do Japão
Branqueamento de recifes de corais / Crédito: Matt Kieffer/Flickr

O Ministério do Meio Ambiente japonês alertou sobre a morte de mais de 70 por cento dos recifes de corais da lagoa Sekisei, em Okinawa. De acordo com o relatório, o responsável pela mortandade foi o fenômeno conhecido como branqueamento.

Ele ocorre quando o coral expulsa as microalgas que vivem em seus tecidos, fazendo com que ele fique completamente branco, por auto-defesa. Isto ocorre em função de estresses causados por acidez ou aquecimento da água. Se as temperaturas não retornarem rapidamente ao normal, o coral acaba morrendo por falta de nutrição.

Segundo a agência meteorológica do Japão, a temperatura média da superfície do mar entre junho e agosto na parte sul da ilha de Okinawa, foi de 30,1ºC. Isto representa dois graus acima do normal e foi a temperatura média mais alta identificada desde que os registros começaram, em 1982.

Uma pesquisa realizada em setembro e outubro do ano passado constatou que pouco mais de 56% dos recifes haviam morrido, indicando que o branqueamento se espalhou rapidamente nos últimos meses.

Entre 2014 e 2016, houve o maior branqueamento já registrado no mundo, que matou corais numa escala sem precedentes. No ano passado, 90% da Grande Barreira de Corais da Austrália sofreu branqueamento e mais de 20% dos recifes da região acabaram morrendo.

Os recifes de corais exercem papel fundamental para a alimentação e reprodução de diversas espécies marinhas, além de fornecer abrigo para peixes, crustáceos e outros invertebrados. Os recifes agem como um grande filtro da água do mar. Dessa forma, a sua importância se estende ao setor econômico, sendo essenciais para a pesca e o turismo.

Com informações do O Eco