Array
Notícias

PL que proíbe comercialização de foie gras em BH será votado em julho

Array
PL que proíbe comercialização de foie gras em BH será votado em julho
Técnica para produção do foie gras provoca dor e ferimentos nos animais / Crédito: iStock by Getty Images

O projeto de lei para proibir a comercialização de foie gras deve ser votado na Câmara Municipal de Belo Horizonte no próximo mês. A produção dessa iguaria da culinária francesa mundialmente conhecida é extremamente cruel para gansos e patos. O PL 1.637/2015, de autoria do vereador Lúcio Bocão (PP), tramita desde o ano passado e já foi aprovado nas comissões de Legislação e Justiça e Administração Pública.

O foie gras é o fígado doente de gansos ou patos. Durante vários dias seguidos, as aves são superalimentadas por um funil de 20 a 40 centímetros inserido violentamente em suas gargantas. Esse processo faz com que o fígado aumente, em média, dez vezes em relação ao tamanho normal.

Debatendo-se quando o tubo é inserido em sua garganta, ou pela simples contração do esôfago provocada pela necessidade de vomitar, a ave arrisca-se a asfixiar e a perfurar mortalmente o pescoço. A introdução do tubo provoca lesões que se transformam em dolorosas inflamações e infecções. Pouco depois desse processo, a ave sofre imediatamente de diarreias e as dimensões do seu fígado hipertrofiado tornam a respiração difícil e o andar doloroso.

A crueldade tem outros detalhes: para “facilitar” a tortura, muitos animais têm parte do bico amputada, sem anestesia, com uma pinça ou uma simples tesourada. Muitas aves são “criadas” em barracões ou gaiolas onde suas patas se ferem por causa do chão feito de rede de arame. As gaiolas são tão pequenas que as aves nem sequer podem se movimentar, muito menos pôr-se de pé ou estender as asas.

Os mais fracos chegam ao abate já moribundos e outros tantos nem conseguem resistir até lá. Entre os que sobrevivem, vários têm alguns ossos quebrados durante o transporte. Por fim, as aves são penduradas de cabeça para baixo para serem eletrocutadas. As fêmeas, uma vez que produzem um fígado de “pior qualidade” que os machos, são, na maioria, trituradas vivas ou gaseadas pouco após o nascimento.

“Não é justo que os animais passem por tanto sacrifício para que meio por cento da população consuma essa carne. Eu estou convicto que o projeto será aprovado, já que ele teve uma boa aceitação dos vereadores”, afirma Lúcio Bocão.

Uma petição online apoiando a proibição do foie gras na capital mineira foi criada na plataforma change.org pelo Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (Fórum Animal), Movimento Mineiro pelos Direitos Animais (MMDA) e Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB). A petição já conta com mais 4.500 assinaturas.

O foie gras é proibido em 15 países, entre eles Argentina, Áustria, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Israel, Noruega, Suécia, Suíça, Holanda, Reino Unido e até mesmo na Polônia, um dos maiores produtores mundiais. Assine a petição e participe da luta contra a crueldade animal. Não deixe que este crime continue!