Array
Notícias

Hiram Firmino e Ruth Soares falam sobre os desafios para pautar questões ambientais nas redações na Terça Ambiental da Amda

Array
Hiram Firmino e Ruth Soares falam sobre os desafios para pautar questões ambientais nas redações na Terça Ambiental da Amda
Palestrantes na Terça Ambiental da Amda / Crédito: Júlia Mól

No dia 7 de junho foi realizada a 57ª edição da Terça Ambiental da Amda. Na ocasião, o jornalista, editor e publisher da Revista Ecológico, Hiram Firmino, e a jornalista e apresentadora da TV Câmara e Rede Minas, Ruth Soares, falaram sobre os desafios enfrentados nas redações quando o assunto pautado é meio ambiente.

Firmino iniciou o evento contando que, no começo de sua carreira como jornalista, o meio ambiente só era notícia em acontecimentos factuais, que normalmente eram tragédias, como enchentes, incêndios, furações etc. Contou também que os jornalistas ambientais eram mal vistos, taxados de serem contrários ao desenvolvimento.

O jornalista explicou que um dos problemas com as matérias ambientais são os anunciantes. Para sobreviver, o jornal precisa vender anúncios, e as reportagens sobre meio ambiente chamam menos a atenção dos leitores, e consequentemente, atraem menos anunciantes.

“Apesar da importância de tratar destes temas para aumentar o debate na sociedade, a questão ambiental não dá dinheiro, porque as pessoas não consideram atrativo, infelizmente”, afirma.

Ruth Soares explicou que a diferença do jornalismo tradicional com o ambiental é que o meio ambiente perfaz todas as áreas, e é apartidário.

“O jornalismo tradicional faz o jogo do poder, já com meio ambiente não existe isso. As coisas são o que são. O certo seria colocar a natureza no centro da discussão, e não o homem ou o desenvolvimento”, afirmou.

A jornalista também lamentou o fato das faculdades não oferecem uma matéria sobre jornalismo ambiental, porque quanto menos conhecimento os estudantes tiverem sobre a área, menos o assunto será pautado nas redações, porque quando o tema não é conhecido e entendido, também não é considerado relevante.