Array
Notícias

Debate do Código Florestal reúne cerca de 80 pessoas no auditório do Senac

Array
Debate do Código Florestal reúne cerca de 80 pessoas no auditório do Senac
Roosevelt de Paula Almado

A Amda realizou ontem (18), no auditório do Senac, o evento “Código Florestal – 4 anos de retrocesso”, que recebeu público de cerca de 80 pessoas, entre estudantes e cidadãos interessados na causa ambiental. A mesa redonda contou com a participação do Promotor de Justiça da Coordenadoria Regional das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente das Bacias dos Rios das Velhas e Paraopeba, Mauro da Fonseca Ellovitch; do Presidente do Comitê de Política Florestal e Meio Ambiente da Associação Mineira de Sivilcultura (AMS), Roosevelt de Paula Almado; e da Superintende Executiva da Amda, Dalce Ricas.

O promotor iniciou o evento contextualizando a Lei 12.651/12, que foi aprovada em meio a polêmicas e repudiada pela comunidade científica, sem ter resolvido os problemas sociais, motivo pela qual ela foi supostamente criada, e ainda trazendo consequências nefastas para o meio ambiente.

“A Lei trouxe muitos retrocessos, como ‘consolidações’ inconstitucionais, redução de áreas protegidas, anistia a multas e crimes ambientais”, exemplificou o promotor.

Ellovitch explicou que o foco principal da atuação do MP nestes quarto anos tem sido questionar a constitucionalidade dos artigos referentes à %u2018consolidação%u2019 de áreas degradadas. O promotor ainda contou que o MP propôs três Ações Diretas de Inconstitucionalidade contra o Código Florestal, sendo elas relativas à Reserva Legal, às regras permanentes relativas às APP%u2019s, e decorrentes da anistia e consolidação de intervenções ilícitas.

Sobre o CAR (Programa de Cadastramento Rural), apontado por ambientalista como principal ponto positivo do Código, o promotor criticou a prorrogação das inscrições, que venceram no dia 05/05/2016, e podem ser prorrogadas para 2017. Criticou também o fato do cadastro não possuir sistema para validação dos dados ou perspectiva de sua implementação.

O promotor listou que as principais consequências sofridas pelo meio ambiente com o Código são a escassez de água, erosão e assoreamento, queda na qualidade da água, prejuízo à biodiversidade, perda de produtividade, aumento do desequilíbrio ecológico e aumento nas ocorrências de desastres naturais.

O Presidente representante da AMS, Roosevelt de Paula Almado, em sua apresentação, defendeu o ponto de vista do setor produtivo e tentou elencar modificações positivas da nova legislação, sendo, por isso, muito criticado pelos presentes.

Roosevelt afirmou que a antiga Lei “não tinha mecanismos claros para se estabelecer o processo de identificação, recuperação e acompanhamento das áreas convertidas”, enquanto o novo texto trouxe “definição de regras claras para cumprimento das normas ambientais. Respeito ao histórico legal de uso e ocupação do solo e de apropriação dos bens ambientais”. Afirmou ainda que a antiga legislação trazia “falta de segurança jurídica na sua aplicação”, enquanto a lei aprovada em 2012 “permitirá avanços tangíveis no tocante a conservação e a restauração”.

“O Novo Código contempla um equilíbrio entre fatores ambientais, econômicos e sociais ligados ao uso e ocupação do solo, de forma mais próxima da realidade”, afirmou.

A superintende executiva da Amda, Dalce Ricas, ressaltou a importância da atuação do MP para reverter os danos ambientais que a legislação pode causar, principalmente através das Ações Diretas de Inconstitucionalidade.

Dalce convidou a todos para se mobilizarem em prol do meio ambiente, mesmo que virtualmente, e citou como exemplo o PL que pretendia derrubar a Lista Vermelha de espécies ameaçadas de extinção, de autoria do senador Ronaldo Caiado (DEM/GO). Após expressiva mobilização da sociedade em uma campanha online, criada na plataforma Avaaz, que alcançou mais de 7.700 assinaturas, o senador retirou o projeto de tramitação.