Array
Notícias

Restos de abacaxi são transformados em couro ecológico

Array
Restos de abacaxi são transformados em couro ecológico

Análises de tendência de mercado mostram que os consumidores estão cada vez mais atentos a quem, como, onde e quando suas roupas são fabricadas. Pensando nisso, Carmen Hijosa largou seu emprego para se dedicar à fabricação de couro ecológico, feito com restos de abacaxi.

Enquanto estudava na Royal College of Art, em Londres, Carmen desenvolveu o material patenteado por ela. Aos 63 anos, ela dirige sua startup de couro feito a partir de restos de abacaxi, chamada Piñatex.

“A força e flexibilidade das fibras do abacaxi são características essenciais para o produto final”, explica Carmen, que também fez testes com a banana e o sisal.

Além de evitar toda a crueldade da indústria do couro legítimo, o couro de fibras de abacaxi leva vantagem sobre o couro sintético. Isso porque a produção desse tipo de material também acarreta em problemas para o meio ambiente: geralmente, a fabricação utiliza produtos químicos, como o petróleo, que contaminam os lençóis freáticos e solos.

O couro de abacaxi é vendido em forma de rolos que podem ser utilizados para fazer qualquer tipo de produto que hoje é fabricado com couro animal – de sapatos a assentos de carros. Atualmente, a startup de Carmen produz entre 500 e 2.000 metros do material a cada 30 dias. Mas, em três meses, ela espera aumentar a fabricação para 8.000 metros. Marcas como Puma e Camper já estão começando a testar a inovação.

Com informações do The Greenest Post