Array
Notícias

São Paulo ganha pontos de coleta de eletrodomésticos para reciclagem

Array
São Paulo ganha pontos de coleta de eletrodomésticos para reciclagem
Produtos serão encaminhados para cooperativa especializada em resíduos eletrônicos / Crédito: Tim Patterson/Flickr

Na última quinta-feira (28/04), pontos de coleta de eletrodomésticos de pequeno porte foram instalados na região da Lapa, zona oeste de São Paulo. O programa piloto de logística reversa de eletrodomésticos é uma parceria entre a prefeitura e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica, na sigla em inglês). Também participam grandes redes varejistas, que instalaram os pontos para receber liquidificadores, espremedores, laptops e celulares.

“Vai existir uma espécie de lixeira apropriada para isso”, informou o presidente da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), Ricardo Brandão. Nesses locais, serão recebidos itens com dimensões de até 60 centímetros de largura, 50 centímetros de comprimento e 75 centímetros de altura.

Os produtos serão encaminhados para uma cooperativa especializada em resíduos eletrônicos. “A reciclagem que estamos estudando prevê o reaproveitamento máximo do material”, adiantou Brandão. Os produtos deverão ser desmontados, de modo a separar os invólucros de plástico ou metal dos componentes eletrônicos.

Produtos de grande porte como geladeiras, fogões e máquinas de lavar adquiridos em lojas participantes do projeto também poderão ser entregues para reciclagem. Ao comprar o produto, o consumidor receberá um cupom. Com este documento em mãos e mediante o pagamento de uma pequena taxa será possível agendar a retirada do item. Ainda não foi definida a data em que o serviço entrará em vigor.

A prefeitura espera implementar iniciativas semelhantes em pelo menos quatro outras regiões da cidade até 2020. “Estamos avaliando a partir dessa experiência na Lapa, que termina em setembro de 2017, expandir para as demais 31 subprefeituras”, disse Brandão.

A Lapa foi escolhida após pesquisas de opinião e estudos técnicos elaborados pela Jica apontarem que os moradores do bairro são mais permeáveis a iniciativas de sustentabilidade. A região recebeu recentemente uma usina de compostagem que produz fertilizantes a partir dos resíduos de 27 feiras livres.

Com informações da Agência Brasil