Array
Notícias

Máquina produz materiais para construção civil a partir de garrafas pet

Array
Máquina produz materiais para construção civil a partir de garrafas pet
Crédito: Divulgação/Internet

Feito de derivados do petróleo, o plástico demora cerca de 450 anos para se decompor na natureza. Considerado um dos grandes vilões da poluição ao meio ambiente, agora o material pode-se tornar grande aliado da construção civil. O economista Mário Augusto Batista Rocha desenvolveu uma máquina capaz de transformar garrafas pet em matéria-prima útil para produção de materiais para o setor. O projeto, chamado Composto de Resíduo Plástico (Crep), foi classificado em terceiro lugar nos prêmios Professor Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente, cuja premiação ocorreu em novembro deste ano em Porto Velho.

A “Creponeira” é capaz de recolher o lixo que flutua nos rios de Manaus, contendo rótulo, tampas de recipientes, resíduo de argila, musgo ou areia. Os resíduos passam por um processo de aquecimento e mistura, produzindo um material semelhante ao asfalto, que pode ser moldado em artefatos úteis para a construção civil. “Produzi bloquetes de pavimentação que servem para revestimento de praças, ciclovias, calçadas, além de pedras de meio fio, estacas de cerca, entre outros”, conta o economista.

Rocha garante a qualidade do material produzido: “é durável porque as propriedades do plástico são incorporadas nesse composto. Outra coisa, fica na chuva e não cria fungos”, disse. No começo do próximo ano o economista pretende desenvolver uma máquina que produza em grande escala. “Essa máquina é baseada no aprendizado ao longo do desenvolvimento deste trabalho. Só após sua produção e uso vou poder ter uma planilha de custo mais apurada”, explica.

Caso o projeto ganhe aceitação do público consumidor, Rocha acredita que o plástico deixará de ser apenas um resíduo pouco utilizado e passará a valer como matéria prima para novos produtos. “A reciclagem é isso”, define.

Premiado e Inovador

O economista está acostumado a ganhar prêmios com soluções efetivas em combate à poluição do planeta. Em 2013, foi contemplado com o segundo lugar com o projeto “Zero PET nos Rios”, nos mesmos prêmios concorridos com o Crep.

Desde 2012, Rocha apresenta inovações para a destinação de garrafas pet aos locais adequados à reciclagem. No ano seguinte, implantou o sistema “Pisapet”, que permite a coleta, armazenamento e transporte do plástico, diminuindo em 80% seu volume.