Array
Notícias

Voluntários da Amda e Brigada 1, mais uma vez, fazem a diferença no combate a incêndio no Parque do Rola Moça

Array

Incêndio ateado no Parque Estadual da Serra do Rola Moça, na última sexta-feira (3), foi debelado na madrugada de sábado (4), por funcionários da Copasa e brigadistas voluntários da Amda e Brigada 1. A área atingida fica próxima ao manancial de Tabões.

Segundo relato, quando os voluntários chegaram ao local, os brigadistas estavam parados, por não acreditarem na possibilidade de debelar o incêndio. No entanto, com a chegada dos voluntários, eles ficaram mais animados e enfrentaram o fogo, contando com ajuda de caminhão pipa.

Segundo Francisco Mourão, biólogo da Amda e Ronnie Gibson Oliveira, brigadista voluntário de Casa Branca, o incêndio havia se dividido em três linhas, ameaçando espalhar-se por todo o Parque. Utilizando bombas costais e chicotes, os brigadistas conseguiram debelá-lo à 01h da madrugada do dia 04.

Para Dalce Ricas, superintendente da Amda, o Parque continua correndo grande risco devido à continuidade da seca e à fragilidade estrutural para enfrentar os incêndios. “Somando a previsão do Painel de Mudanças Climáticas da ONU, que já se tornou realidade, relativa ao prolongamento das estações secas e concentração das chuvas em curtos períodos, com os ‘incendiários de plantão’ e com o pouco interesse do Estado na área ambiental, é fácil deduzir que a situação tende a piorar”, diz.

Para a entidade, o PrevIncêndio precisa ser novamente discutido e avaliado, pois suas fragilidades ficaram claras em 2014. “Reconhecemos sua importância e a dedicação dos técnicos, mas milagres não existem. O governo precisa criar um contingente de bombeiros especializados em combate incêndios, atividade bem diferente de defesa civil como estão acostumados. Vigilância constante, rapidez no combate, investigação e punição de incendiários, envolvimento da sociedade através de campanhas educativas de massa, incentivo e treinamento de voluntários, são medidas que terão de ser tomadas para controle mínimo da situação”, alerta Dalce.