Array
Notícias

Transposição de água pode destruir o mar Morto

Array

O uso excessivo da água do mar Morto fez com que ele perdesse 35% de sua extensão nos últimos 60 anos. Em dezembro do ano passado, Israel, Jordânia e a Autoridade Palestina assinaram um acordo, com apoio do Banco Mundial, para construir um sistema de canos que levará água do mar Vermelho para o mar Morto. Para especialistas, a medida pode levar à destruição do mar Morto.

“Em vez de salvar o mar Morto, a transposição do mar Vermelho irá destruí-lo”, afirmou Sarit Caspi Oron, especialista em recursos hídricos da ONG Adam Teva V’din. Para ela, “o plano do governo se concentra apenas na elevação do nível da água, mas ignora o principal, que é a qualidade da água e sua composição química”.

Cientistas advertem que a transposição de águas pode abalar o ecossistema do mar Morto, cuja composição química é completamente diferente daquela de mares abertos. Localizado a 427 metros abaixo do nível do mar, o ponto mais baixo do planeta, o mar Morto possui uma concentração especialmente alta de potássio, cálcio e magnésio, além de um grau de salinidade dez vezes maior do que os oceanos.

Segundo Oron, as principais razões do encolhimento do mar Morto são o desvio das águas do rio Jordão e a ação das indústrias químicas – israelenses e jordanianas, que extraem grandes quantidades de água para explorar os minerais na região.

As soluções propostas por ambientalistas envolvem mudanças radicais na política hídrica de Israel, que utiliza a maior parte das águas desviadas do rio Jordão, inclusive para irrigar plantações de assentamentos israelenses nos territórios palestinos ocupados. “Devemos desviar menos água do rio Jordão para agricultura, a fim de possibilitar que o próprio rio volte a abastecer o mar Morto. Durante milhares de anos, ele foi abastecido com a água doce do rio Jordão e manteve seu ecossistema”, disse Oron.

Outra medida seria o aumento da produção de água dessalinizada extraída do mar Mediterrâneo, que já chega a 40% do total da água consumida em Israel. “Aumentando a dessalinização e a economia de água estaríamos sobrecarregando menos as nossas fontes naturais, como o mar da Galileia e o rio Jordão, e assim o mar Morto sairia beneficiado”, concluiu.

Segundo o governo de Israel, inicialmente, será implementado um plano piloto, com uma transposição limitada de águas. Nessa primeira fase, os efeitos ambientais serão monitorados.

Notícia relacionada:

Plano para unir mar Vermelho e mar Morto preocupa ambientalistas