Array
Notícias

Comitê alerta que manancial do Sistema Cantareira se esgotará até a Copa do Mundo

Array

O comitê anticrise que monitora a situação do Sistema Cantareira antecipou para julho, mês da Copa do Mundo, a previsão de esgotamento do chamado “volume útil” do manancial que abastece 47% da Grande São Paulo e a região de Campinas. A seca atual do Cantareira é mais crítica que a de 1953, até então considerada a pior da história e que servia de parâmetro para os técnicos dos governos estadual e federal. Desde janeiro deste ano, a quantidade de água que entrou nos reservatórios do Sistema Cantareira corresponde a 15% da média histórica, mesmo com a volta das chuvas neste mês. Em 1953, o pior índice foi o de janeiro: 39%.

O novo cenário pressiona ainda mais a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) a instalar os equipamentos necessários para captar a água do chamado “volume morto” do Cantareira. Trata-se de cerca de 400 bilhões de litros que ficam no fundo dos reservatórios, uma reserva estratégica nunca utilizada. A Sabesp informou que iniciará a operação em maio, dois meses antes do possível fim do “volume útil”, que é a quantidade represada acima do nível das bombas.

Conforme reportagem do jornal Estado de Minas, em fevereiro, após determinação da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee), que lideram o comitê anticrise, a Sabesp contratou duas empresas por R$ 52 milhões para realizarem obras emergenciais para uso do “volume morto” nas represas Jaguari e Jacareí, em Joanópolis, e Atibainha, em Nazaré Paulista. As duas primeiras são consideradas o coração do Cantareira e armazenam 82% da água do manancial, mas estão com apenas 9,4% da capacidade.

A companhia também comprou 17 bombas flutuantes por R$ 5,3 milhões de uma empresa de Santa Catarina, além de tubos, cabos, painéis e geradores. O custo total da operação é estimado em R$ 80 milhões. Desde o início de março, o uso do “volume morto”, que antes era tratado como eventual, tornou-se inevitável para que o racionamento não seja generalizado, segundo o jornal.