Array
Notícias

Lista vermelha tem mais de 11 mil animais ameaçados de extinção

Array
Lista vermelha tem mais de 11 mil animais ameaçados de extinção
Elefantes estão ameaçados pela destruição de seu habitat e explosão da caça ilegal / Crédito: ultradownloads.com.br

A lista vermelha de animais ameaçados de extinção inclui 11.212 das 53.267 espécies identificadas pela União Mundial pela Natureza (UICN, na sigla em inglês). O documento, considerado o principal instrumento de medida da biodiversidade, também alerta para os perigos que representam o crescimento da caça ilegal e o tráfico para os animais.

Segundo a UICN, uma em cada quatro espécies de mamíferos, um em cada oito pássaros e mais de um em cada três anfíbios estão ameaçados de extinção. O tráfico aumenta drasticamente os riscos para algumas espécies recenseadas como os elefantes procurados pelo marfim, os rinocerontes pelos seus chifres, os tubarões pelas suas barbatanas e também o pangolim da China, caçado para fins medicinais.

De acordo com a organização, entre 2011 e 2012, a caça aumentou 43% em relação aos rinocerontes na África, mesmo com a proibição do comércio desde 1977. Mais de mil animais foram mortos no ano passado na África do Sul, país que abriga 80% das espécies. A estatística é 77 vezes maior do que em 2007.

Os elefantes, estimados em menos de 500 mil na África atualmente, contra os milhões que existiam na metade do século 20, estão ameaçados duplamente: pela destruição de seu habitat e também pela explosão da caça ilegal, estimulada principalmente pela forte demanda dos países da Ásia e do Oriente Médio. O comércio mundial de marfim foi proibido em 1989, mas o tráfico dobrou a partir de 2007 e mais que triplicou em 1998, segundo um relatório publicado à margem da Conferência da Cites, em março de 2013.

Na última quinta-feira (13), 46 países adotaram uma declaração internacional contra o tráfico de marfim, chifres de rinocerontes e o comércio em geral de espécies ameaçadas. Os governos signatários se comprometeram a não usar produtos de espécies em risco, agravar a tipificação dos delitos de caça ilegal e tráfico de espécies e estudar melhor este tipo de crime que movimenta ao ano US$ 19 bilhões.