Array
Notícias

Rio de Janeiro: quase 200 árvores são derrubadas para construção de complexo turístico no Parque da Tijuca

Array
Rio de Janeiro: quase 200 árvores são derrubadas para construção de complexo turístico no Parque da Tijuca
Parque Nacional da Tijuca / Crédito: flickr.com

O Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro, perdeu pelo menos 196 árvores para dar lugar à construção de um complexo turístico em um dos principais acessos ao Cristo Redentor. Trata-se do Hotel Paineiras, inaugurado em 1884 e abandonado há três décadas. De acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que havia aprovado um anteprojeto, a obra começou há dois meses de forma irregular, sem apresentação do projeto executivo. Na última quarta-feira (30/10), as obras foram suspensas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O objetivo do governo federal é transformar o local, até a Olimpíada de 2016, em ponto de partida para visitantes do Corcovado. Um painel do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) anuncia a “transformação de troncos de árvores em peças artísticas”.

O Iphan e o ICMBio têm 15 dias para apresentar explicações sobre a suspeita de falta de licenciamento e estudo de impacto ambiental. Para o ICMBio, o plano de manejo do parque equivale a um estudo de impacto. “Estamos exigindo mais rigor do que em um licenciamento ambiental comum”, disse o chefe do parque, Ernesto Castro. Segundo ele, não houve ocupação de espaço florestal, apenas de áreas em que já havia intervenção. O órgão argumenta que a obra foi embargada há dois meses pelo próprio ICMBio e pelo Iphan “até que o consórcio (responsável pela reforma) entregue o plano de controle ambiental e projetos complementares”.

Segundo o ICMBio, 122 das 196 árvores retiradas eram exóticas e 74, nativas. Vinte e uma eram jaqueiras, que o instituto afirma ser uma espécie invasora na Mata Atlântica.

A reforma do Hotel Paineiras e sua transformação em complexo turístico é resultado de licitação de 2012. O consórcio vencedor é de três empresas: a Cataratas do Iguaçu, que atua no Parque Nacional do Iguaçu, e duas que já operavam no Parque da Tijuca: a Estrada de Ferro Corcovado, responsável pelo Trem do Corcovado, e a Bel Tour, que faz o serviço de vans para o Corcovado pela Estrada das Paineiras.

Com informações do Estadão