Array
Notícias

Lagoa da Pampulha não estará despoluída até Copa do Mundo do ano que vem

Array
Lagoa da Pampulha não estará despoluída até Copa do Mundo do ano que vem
Lagoa da Pampulha não estará despoluída até Copa do Mundo do ano que vem / Crédito:webbusca.com

A despoluição da Lagoa da Pampulha não será concluída até a Copa do Mundo do ano que vem. A constatação é do prefeito em exercício, Délio Malheiros (PV), que vistoriou na última sexta-feira (01) o canteiro das obras de dragagem e desassoreamento do reservatório. Esse processo está em andamento e tem previsão de ser concluído até maio. Já o tratamento da água, que permitirá seu uso para atividades náuticas e de lazer, ainda está em processo de licitação e, como demanda no mínimo 10 meses para terminar, deve acabar depois do mundial.

Segundo Malheiros, os trabalhos realizados até o momento estão dentro do cronograma e evoluem no ritmo esperado. “Durante os jogos teremos uma orla mais bonita, com a restauração das ciclovias, passeios e paisagismo. A despoluição não terá sido completa, mas o lago vai apresentar uma qualidade melhor e um aspecto menos poluído”, disse o prefeito.

Conforme reportagem do jornal Estado de Minas, o processo licitatório para despoluição da Pampulha tem custo estimado de R$ 30 milhões. Três empresas participaram da concorrência e uma foi selecionada, mas o resultado ainda é questionado na Justiça.

O desassoreamento prevê a retirada de 800 toneladas de areia e detritos depositados pelos córregos principalmente como efeito de bota-foras, obras irregulares e lançamento clandestino de esgoto de bairros de Belo Horizonte e de Contagem. O custo desse processo será de R$ 110 milhões.

Ainda de acordo com o jornal, caso parte dos recursos municipais não seja utilizada, a intenção da PBH é usar esse capital para construir um parque ecológico na área de 16 hectares da lagoa onde estão as piscinas de decantação e a máquina desidratadora. O nome ainda provisório de Parque das Garças seguiria um modelo de espaço para preservação dos pássaros que habitam aquele ecossistema. “Seria mais um espaço para a população aproveitar para lazer e contemplação na orla da Pampulha”, disse Malheiros.