Array
Notícias

Aumento da temperatura pode extinguir coalas da Austrália

Array
Aumento da temperatura pode extinguir coalas da Austrália
Mãe e filhote de coala são vistos no Zoológico de Duisburg

O aumento da temperatura pode causar o desaparecimento dos coalas, um dos símbolos da Austrália, a menos que ações urgentes sejam tomadas. O alerta foi dado pelo cientista Mathew Crowther, da Universidade de Sydney, que rastreou, ao longo de três anos, 40 coalas no estado de Nova Gales do Sul, no noroeste do país, para examinar seus hábitos.

Esse foi o primeiro estudo a comparar onde os marsupiais escaladores de árvores passam seus dias e noites. A pesquisa descobriu que árvores grandes e maduras, com folhagens densas, são fundamentais para a sobrevivência dos animais, particularmente durante eventos de clima extremo, como incêndios florestais e ondas de calor.

De acordo com Crowther, a pesquisa confirmou que os coalas se abrigam durante o dia em diferentes tipos de árvores e se alimentam de eucaliptos durante a noite. “Descobrimos que, quanto mais quente é o dia, mais coalas tendem a procurar árvores maiores com folhagens densas para tentar escapar das temperaturas”, disse.

Conforme reportagem da France Press, apesar de serem bastante seletivos com seus locais de alimentação – os coalas comem folhas de uma variedade pequena de espécies de eucalipto -, Crowther disse que durante a pesquisa foi possível verificar que os animais encontram abrigo em uma variedade relativamente ampla de árvores, enfatizando o impacto do desmatamento sobre a vulnerabilidade dos bichos, à medida em que as temperaturas da Austrália alcançam novos recordes.

Crowther afirmou que um quarto do grupo estudado foi dizimado pela onda de calor de 2009, que precedeu os incêndios florestais do Sábado Negro no país, uma estatística alarmante “em vista da frequência crescente de eventos climáticos extremos”.

Uma investigação do governo da Austrália sobre o destino dos coalas, que apresentou seus resultados em 2011, alertou que essas criaturas sonolentas e peludas estavam sob crescente ameaça e deveriam ser consideradas uma espécie ameaçada, com a queda vertiginosa de seu habitat. Estima-se que restam 43 mil coalas na natureza, embora o fato de eles viverem no topo das árvores os torne uma espécie difícil de ser registrada.