Array
Opinião

Contaminação da água é uma tragédia evitável

Array

* Yves Besse

Neste início de ano, o mundo assistiu estarrecido às imagens de um povo morrendo pela fome e pela falta de assistência básica, rodeado pela floresta mais rica do mundo. O drama dos Yanomamis, especialmente das crianças, chocou pelo claro descaso. Uma tragédia silenciosa para a qual, finalmente, olhamos com mais atenção. Essa atenção pede, também, uma visão atenta para um dos aspectos desse quadro: o saneamento.

A contaminação das águas das quais os Yanomamis se servem, especialmente pelo mercúrio usado no garimpo ilegal, leva a uma série de graves consequências. O consumo da água traz condições sérias de saúde, enquanto a fauna dos rios é dizimada pelos elementos tóxicos.

Condição que afeta não somente essa, mas também outras populações. Em São Gabriel da Cachoeira (AM), cidade mais indígena do Brasil, mais de 90% dos habitantes não têm acesso à água tratada. Além disso, os índices de mortalidade infantil estão entre os piores do país, na casa de 34,6 óbitos por mil nascidos vivos.

Efeitos do garimpo ilegal, do desmatamento e, também, da falta de saneamento básico, que leva mais contaminação a essa e outras comunidades de todas as regiões. E não precisamos ir aos confins da Amazônia para encontrar essa tragédia: em grandes cidades, essa realidade segue presente. Em todo o país, 11 mil pessoas morrem por ano devido à falta de tratamento de água e esgoto, segundo o IBGE.

Na raiz desses problemas, estão políticas públicas inadequadas e mal aplicadas — ou mesmo a ausência delas —, que perpetuam quadros que deveriam ser inaceitáveis neste século. Quase metade da população brasileira ainda não tem acesso ao tratamento de esgoto, um ciclo que segue prejudicando a saúde e custando vidas.

Não podemos esperar o choque de realidade, como o que vimos com os Yanomami, para fazer o necessário.

Basta de discursos e de repetir o óbvio. É preciso agir efetivamente pelo bem-estar das pessoas, combatendo os desmandos, cumprindo a lei e garantindo qualidade de vida para os brasileiros, no saneamento básico e em outras tantas áreas. Sem isso, seguiremos testemunhas de outras tragédias evitáveis.

* Yves Besse é presidente da Cristalina Saneamento

Fonte: Eco Debate