Array
Notícias

Corpo de Idi Amin será exposto no Museu de Ciências Naturais PUC Minas

Array
Corpo de Idi Amin será exposto no Museu de Ciências Naturais PUC Minas
Idi Amin/ Crédito: Andre Trindade

A estrela do zoológico de Belo Horizonte, o gorila Idi Amin, que morreu em março do ano passado, terá seu corpo exposto no Museu de Ciências Naturais PUC Minas. O local será reaberto nesta sexta-feira (13) após ficar 11 meses fechado devido a um incêndio. O espaço teve toda a pintura e projetos elétrico e contra incêndio renovados. Além disso, o museu ganhou sistema de iluminação em led, mais econômico e que não aquece o ambiente.

Idi Amin será a grande novidade da reabertura e ficará na exposição Fauna Exótica, no terceiro andar. O corpo do gorila estará exposto ao lado de Cleópatra, gorila que também veio do zoológico. O casal estará próximo aos esqueletos dos elefantes Joca e Margarete, que também moraram no zoológico da capital.

Para a montagem do corpo de Idi Amin foi utilizada a técnica de curtimento de couro, idêntica à aplicada em bovinos, desenvolvida pela Empresa Brasileira de Agropecuária (Embrapa) – Embrapa Pecuária Sudeste, de São Carlos, em São Paulo. O método possibilitou a permanência original da pele, dos pelos e dos dedos do gorila. A técnica tradicional, baseada no curtimento com compostos à base de alumínio, deixaria o couro de Idi Amin quebradiço com o passar dos anos. Para o preenchimento do manequim, que é feito com poliuretano, material leve e poroso, o próprio museu testou revestimento com cimento especial, que dá mais firmeza e durabilidade e acabamento perfeito, em detalhes, além de não ser inflamável, de acordo com o coordenador do museu, professor Bonifácio José Teixeira.

Outra atração restaurada é a preguiça gigante, que havia desabado com o incêndio. Foi utilizada resina na superfície externa dos ossos e preenchimento com poliuretano, que dá consistência ao esqueleto. A réplica foi feita a partir de fóssil da coleção de Paleontologia do museu, uma das mais importantes das Américas, com mais de 70 mil fósseis e que não foi atingida pelo incêndio. A preguiça gigante integrava a exposição A grande extinção – 11 mil anos, dos animais existentes no período Pleistoceno.

Uma nova exposição, denominada a Era dos Répteis, ficará no 1º andar. Estarão expostos um esqueleto real e completo do jacaré do papo-amarelo, oriundo de Minas Gerais, em posição de nado; três crânios reais, um do jacaré-açu, da Amazônia, cujo comprimento do animal chega a cinco metros; um do jacaretinga ou jacaré-coroa, proveniente da Amazônia; e um do jacaré-anão, cujo corpo do animal mede menos de um metro. Além desses, o museu abrigará cópias de três crânios: um do jacaré gigante (Purusaurus), do Acre; um de jacaré terrestre (Baurusucus), de Bauru (SP), e outro também de jacaré terrestre, o Spharhisaurus, do interior do norte de São Paulo.

No 2º andar poderão ser visitadas as exposições Peter W. Lund: memórias de um naturalista; A Grande Extinção: 11 mil anos; e Vida no Cerrado. O painel, com imagem do Pleistoceno, de autoria do artista plástico Walter Lara, foi totalmente recuperado. Já no 3º andar permanecem as exposições Fauna Exótica e Vida na Água. O local abrigará ainda a maquete da região de Lagoa Santa, onde vivia o paleontólogo Peter Lund, que foi totalmente reformada. A caverna, que simulava o ambiente em grutas exploradas por Peter Lund naquela região, será reconstruída do lado de fora do museu, ainda sem previsão. Já o planetário, que permite a observação e simulação astronômica, já está com projeto aprovado e será construído em 2014, também na parte externa do museu, ao lado do auditório.

Os horários de visitação ao Museu de Ciências Naturais PUC Minas continuam os mesmos: incluindo feriados, de terça a sábado, das 8h30 às 17h, e às quintas até as 21h. Os ingressos custam R$5 para o público em geral e R$2,50 para estudantes de escolas públicas.