Iguanas voltam à ilha de Galápagos após 200 anos

Iguanas sendo soltas na ilha/Crédito: Parque Nacional de Galápagos

Ação reestabeleceu equilíbrio ecológico entre as ilhas de Santiago e Seymour Norte

Por cerca de dois séculos, as iguanas terrestres (Conolophus subcristatus) foram consideradas extintas da Ilha Santiago, no arquipélago de Galápagos, enquanto se proliferavam em uma ilha vizinha, a Seymour Norte. Para reestabelecer o equilíbrio entre as regiões, a equipe do Parque Nacional de Galápagos transferiu 1.436 iguanas da ilha em que são numerosas para a outra, desabitada pela espécie.

Os animais foram libertos nas zonas costeiras de Santiago, onde os ecossistemas são semelhantes ao habitat natural da espécie, de vegetação abundante. Desde 2016, a flora existente em Seymour Norte diminuiu drasticamente, inviabilizando o local para a população de aproximadamente 5 mil iguanas.

“A iguana terrestre é um herbívoro que ajuda os ecossistemas por meio da dispersão de sementes e da manutenção de espaços abertos sem vegetação. Por isso, um número reduzido permanecerá em Seymour Norte para não gerar uma mudança drástica na cobertura vegetal da ilha”, explicou Danny Rueda, diretor de ecossistemas do parque.

Realizada no início do ano, a ação compreendeu a terceira etapa do projeto desenvolvido pela unidade de conservação em conjunto com a Massey University, da Nova Zelândia, e Island Conservation. Dividido em quatro fases, o trabalho começou no final de 2018 com a captura dos indivíduos, transferência para cativeiro e quarentena na Ilha Santa Cruz.

A última etapa do projeto começou em fevereiro. Basicamente, essa fase consiste em assegurar a adaptação, selecionar áreas para reprodução e identificar quais espécies da flora podem servir de alimento para as iguanas. Os animais serão monitorados para avaliação da adaptação e reprodução. Os técnicos também ficarão atentos a espécies como roedores e formigas, que representam uma ameaça para os ninhos das iguanas.

Desaparecimento

Em Santiago, a última aparição da espécie foi registrada em 1835, durante uma expedição de Charles Darwin à região nordeste da ilha. Segundo Jorge Carrión, diretor do parque, as populações de iguanas foram dizimadas por espécies invasoras, como o porco selvagem, erradicado só em 2001.

Além da Ilha de Santiago, mais três das 18 ilhas vulcânicas presentes no Parque Nacional de Galápagos participam de projetos análogos. Localizado no Equador, o arquipélago de Galápagos é um local com rica biodiversidade, abrigando uma das maiores taxas de endemismo do mundo, isto é, grande parte de suas espécies não ocorrem em nenhum outro lugar.

 

Notícia relacionada:

Tartaruga gigante é vista no Equador após um século desaparecida

Rua Antares, 100, Santa Lúcia
Belo Horizonte / MG CEP: 30360-110
Telefone: (31) 3291 0661

Assine e receba as novidades e notícias sobre nossas ações, eventos e meio ambiente