Região cárstica é reconhecida internacionalmente como zona úmida

APA Carste Lagoa Santa engloba sete unidades de conservação, entre elas o Parque Estadual do Sumidouro / Crédito: divulgação/IEF
APA Carste Lagoa Santa engloba sete unidades de conservação, entre elas o Parque Estadual do Sumidouro / Crédito: divulgação/IEF

Brasil tem mais sete áreas reconhecidas pela Convenção Ramsar, totalizando 20 zonas protegidas internacionalmente

Sete áreas úmidas brasileiras foram reconhecidas pela Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional, mais conhecida como Convenção de Ramsar. Uma delas é a Área de Proteção Ambiental (APA) Federal Carste Lagoa Santa, em Minas Gerais. Sua área engloba sete unidades de conservação estaduais: os parques estaduais Sumidouro e Cerca Grande; e os monumentos naturais Lapa Vermelha, Vargem da Pedra, Experiência da Jaguara, Santo Antônio e Várzea da Lapa.

A região é composta por rios, lagos e pântanos de água doce, águas alcalinas subterrâneas e sistemas hidrológicos cársticos subterrâneos, além de centenas de sítios arqueológicos, reconhecidos mundialmente. Mas sua importância ambiental, científica e histórica não tem sido suficiente para impedir a degradação. A área é intensamente povoada, com grande presença de agricultura, pastagens, rodovias, minerações de calcário e empreendimentos imobiliários.

Grande parte dessas atividades são responsáveis por graves danos ambientais à região, frutos do desinteresse do governo estadual no que se refere à gestão do território, e das pressões constantes de prefeituras e empreendimento privados. Mesmo assim, a APA tem sido barreira para impedir sua degradação total.

"Tomara que o título não seja só de papel e ajude a controlar a ganância econômica que paira sobre a área cárstica", diz Dalce Ricas, superintendente da Amda. A organização integra o conselho consultivo da APA Carste há cinco anos, acompanhando de perto a unidade de conservação e atuando pela sua preservação.

Zonas úmidas

As zonas úmidas são ecossistemas que interagem em ambientes terrestres e aquáticos, continentais ou costeiros, naturais ou artificiais, permanente ou periodicamente inundados ou com solos encharcados. As águas podem ser doces, salobras ou salgadas, com comunidades de plantas e animais adaptados à sua dinâmica hídrica. O tamanho varia desde pequenas lagoas até o Pantanal, que abrange Brasil, Bolívia e Paraguai, cobrindo uma área três vezes maior que a Irlanda. Estudos científicos apontam que 64% das áreas úmidas já desapareceram desde 1900.

Essas áreas são de extrema importância para a biodiversidade. Elas abrigam mais de 100.000 espécies aquáticas e esse número cresce a cada dia com o aumento das pesquisas. De 1999 a 2009, cerca de 260 novas espécies foram descobertas na Amazônia. As áreas úmidas também são essenciais para várias espécies de anfíbios e répteis, assim como para aves migratórias, que dependem desses locais para reprodução e migração. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), as zonas úmidas sempre abrigam espécies endêmicas, formas de vida que só vivem em um lugar específico.

As áreas úmidas são reconhecidas internacionalmente por meio da Convenção de Ramsar e tornam-se Sítios Ramsar. Atualmente são registrados 2.265 sítios Ramsar, localizados em 169 países. Com a inclusão das sete novas áreas, o Brasil agora possui 20 zonas úmidas reconhecidas. Além da APA Carste de Lagoa Santa, foram incluídas na lista o Parque Nacional do Viruá (Roraima), Parque Nacional de Anavilhanas (Amazonas), Reserva Biológica Federal do Guaporé (Rondônia), Estação Ecológica Federal do Taim (Rio Grande do Sul), Estação Ecológica Federal de Guaraqueçaba (Paraná), a APA e o Parque Nacional de Fernando de Noronha (Pernambuco).

Confira a lista das 13 zonas úmidas brasileiras anteriormente reconhecidas:

Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense (MA)
Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses (MA)
Parque Estadual do Rio Doce (MG)
Parque Estadual Marinho do Parcel de Manuel Luiz (MA)
Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS)
Parque Nacional do Araguaia - Ilha do Bananal (TO)
Parque Nacional do Cabo Orange (AP)
Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense (MT)
Parque Nacional Marinho dos Abrolhos (BA)
Reserva Biológica Atol das Rocas (RN)
Reserva de desenvolvimento Sustentável Mamirauá (AM)
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Rio Negro (MS)
Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal (MT)

Rua Antares, 100, Santa Lúcia
Belo Horizonte / MG CEP: 30360-110
Telefone: (31) 3291 0661

Assine e receba as novidades e notícias sobre nossas ações, eventos e meio ambiente