Mão-pelada: único guaxinim do Brasil é hábil nadador e escalador de árvores

Mão-pelada também é conhecido como conhecido como mão-chata e jaracambeva. Crédito: Rodrigo Manuel [CC BY 2.0]

Espécie parece com o  quati e ocorre em todos os biomas brasileiros.

Pelagem volumosa, máscara negra ao redor dos olhos, cauda listrada, dedos longos e carentes de pelos são características do único guaxinim encontrado no Brasil: o mão-pelada (Procyon cancrivorus). Parente dos guaxinins retratados em filmes e séries norte-americanas, o representante brasileiro do gênero Procyon é conhecido pelos hábitos noturnos e solitários.

Apesar de possuir ampla distribuição na América do Sul, e ocorrer em todos os biomas brasileiros, o mão-pelada é uma espécie difícil de ser avistada. Ele é também um dos carnívoros neotropicais menos estudados, por isso há poucos dados sobre sua ecologia, fato que desperta ainda mais curiosidade sobre seus hábitos na natureza.

No Brasil, o mão-pelada adapta-se à maior variedade de habitats, com preferência para ambientes perto de fontes de água, como banhados, rios, manguezais, praias, baías e lagoas. Passa a maior parte do tempo no chão, embora seja um excelente nadador e escalador de árvores, onde descansa durante o dia.

Dotado de mãos habilidosas, o animal manuseia alimentos com destreza e apanha presas diretamente na água e no lodo. Assim como macacos, manipula a comida com as mãos e, sem seguida, coloca-a na boca. Por ser onívoro, consome desde frutos até moluscos, artrópodes, peixes, anfíbios, répteis, aves e pequenos mamíferos.

Fisicamente, o mão-pelada se assemelha ao quati, no entanto, há diferenças: os quatis geralmente possuem pelagem mais clara, nariz afinado e rabo empinado. Além disso, eles possuem hábitos diurnos e são mais serelepes, ao contrário do mão-pelada, que é tímido e mais ativo durante a noite.

Também conhecido como mão-chata e jaracambeva, o guaxinim brasileiro chega até 65 centímetros de comprimento, mais 25 a 40 cm de cauda. O peso varia entre três e oito quilos. A gestação dura mais de 60 dias e a cada ninhada podem nascer de dois a sete filhotes.

Ameaças

Embora não seja citado na lista brasileira de animais ameaçados, uma avaliação recente mostrou que a população do mão-pelada pode estar em declínio. O guaxinim enfrenta várias ameaças, como fragmentação dos habitats em que ocorre, avanço da agropecuária, caça, comércio ilegal e poluição de cursos d’água. No Pantanal, o guaxinim já é uma das espécies de mamíferos mais atropeladas nas estradas.

 

Referências:

Avaliação do risco de extinção do Guaxinim - Procyon cancrivorus (Cuvier, 1798) no Brasil (ICMbio).

SIVIERO, Maria Carolina Brunini. Caracterização de micro-habitats do guaxinim (Procyon cancrivorus) em remanescentes de vegetação na região de Campinas, São Paulo (Mammalia: Carnivora). 2012. 69 f. Dissertação - (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2012. 

Mão-pelada. Procyon cancrivorus. Procionídeos - Instituto para a Conservação dos Carnívoros Neotropicais (Pró-Carnívoro).

 

Rua Antares, 100, Santa Lúcia
Belo Horizonte / MG CEP: 30360-110
Telefone: (31) 3291 0661

Assine e receba as novidades e notícias sobre nossas ações, eventos e meio ambiente