Bicho-pau se camufla no ambiente para enganar predadores

Bicho-pau imita até comportamento de galhos e folhas/Crédito: Bruno Aguiar/Flickr

Inseto pode ficar imóvel por horas na folhagem

Mimetismo, camuflagem e até amputação de membros fazem parte dos mecanismos de defesa do bicho-pau (Phibalosoma phyllinum), inseto de hábitos de noturnos que, como o próprio nome sugere, se assemelha a gravetos e folhas secas. Ele vive sobre a folhagem, podendo ficar completamente imóvel por horas.

A camuflagem é uma das formas de defesa mais utilizadas pela espécie, que pode se misturar no ambiente com sua própria cor ou assumir tonalidade análoga ao local em que está inserida. O animal também pode expelir um fluído leitoso para afugentar os predadores, sobretudo aves, que são inibidas pelo líquido.

Outro mecanismo utilizado pelo bicho-pau é o mimetismo, no qual ele se confunde com galhos de árvores por apresentar forma física semelhante, isto é, o animal engana predadores se passando por elementos existentes no ambiente. Mas sua adaptação vai além dos atributos físicos: quando ameaçado, o inseto imita até o comportamento de galhos e folhas, balançando propositalmente o corpo no ritmo do vento.

Em situações de extremo perigo em que a camuflagem, o mimetismo e outras técnicas não são suficientes, o animal possui a capacidade de amputar porções do próprio corpo para distrair o predador enquanto escapa. Fingir-se de morto para desestimular o oponente também é uma estratégia.

Nativa do Brasil, a espécie ocorre em toda Amazônia, bem como nos estados do Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo. A maioria dos insetos da ordem Phasmida é encontrada em quase todos os ecossistemas, temperados e tropicais.

O acentuado dimorfismo sexual (diferença entre os sexos) é uma das principais características do grupo: machos são geralmente menores e mais delicados que as fêmeas. No caso do bicho-pau, elas podem chegar até 22 centímetros, enquanto os machos possuem em média 15 cm. As fêmeas são maiores devido aos ovos. Eles são grandes em relação ao seu porte, por isso necessitam de abdome maior para abrigar as crias.

Ovíparo, o método de reprodução do animal é geralmente sexuado. Alguns indivíduos ainda podem procriar por partenogênese, sendo possível, neste caso, a fêmea se reproduzir sem a fecundação do macho.

Assim como outras espécies de sua ordem, o bicho-pau se alimenta apenas de folhas e brotos, sem a presença de qualquer inseto em sua dieta. Costumar beber água da chuva acumulada nas folhas ou em seus corpos.

 

 

Rua Antares, 100, Santa Lúcia
Belo Horizonte / MG CEP: 30360-110
Telefone: (31) 3291 0661

Assine e receba as novidades e notícias sobre nossas ações, eventos e meio ambiente