Notícias

Rio de Janeiro é a primeira cidade brasileira a abolir canudos de plástico

Estabelecimentos alimentícios devem adotar canudos biodegradáveis ou recicláveis, embalados com material semelhante

06 de Julho de 2018
Foto Projeto

O Rio de Janeiro é a primeira cidade brasileira a banir os canudos de plástico. O prefeito da cidade, Marcelo Crivella, sancionou nesta quinta-feira (5) projeto de lei que proíbe a distribuição de canudinhos em todos os estabelecimentos alimentícios.

Apenas um minuto é necessário para fabricação do canudo de plástico e seu tempo de uso dura, em média, 30 minutos. Estima-se que 10 milhões de toneladas de materiais plásticos cheguem aos oceanos anualmente. Destes, mais de 100 mil toneladas são de canudos plásticos. Os animais acabam ingerindo o material, inteiro ou fragmentado, o que pode levá-los à morte. O vídeo da campanha No Plastic Straw (não ao canudo plástico) mostra a remoção de um canudo alojado na cavidade nasal de uma tartaruga marinha.

O projeto aprovado no Rio de Janeiro, de autoria do vereador Jairinho (MDB), determina o uso de canudos feitos de materiais biodegradáveis ou recicláveis e hermeticamente embalados com material semelhante. É estipulada multa de até R$ 3 mil aos estabelecimentos que descumprirem a lei, valor que pode ser multiplicado em caso de reincidência.

A medida ainda não tem prazo definido para entrar em vigor.

Sacolas plásticas

No final do mês passado, o governador Luiz Fernando Pezão aboliu as sacolas plásticas. O material deverá ser substituído por sacolas biodegradáveis ou reutilizáveis. A Lei 8.006 determina prazo de 18 meses para micro e pequenas empresas se adaptarem. Para as demais, são 12 meses.

As sacolas deverão ter resistência de quatro a 10 quilos e serem compostas por, no mínimo, 51% de material renovável, como o bioplástico produzido a partir de cana-de-açúcar ou milho. Além disso, as sacolas deverão ser confeccionadas em duas cores: verde para produtos recicláveis e cinza para outros rejeitos. A diferenciação ajudará o consumidor a separar o lixo e facilitar a coleta seletiva.