Informações Ambientais

Dez parques para conhecer o Cerrado

Bioma é considerado hotspot mundial por sua rica biodiversidade e alto grau de endemismos

Foto Institucional
Interior da Gruta do Janelão, no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu / Crédito: Bruno Rega de Oliveira
11 de Setembro de 2017

Hoje comemora-se o Dia Nacional do Cerrado, o segundo maior bioma do Brasil. Em virtude de sua elevada riqueza biológica, endemismos (espécies com distribuição restrita ao bioma) e níveis de ameaça, o Cerrado foi indicado como um hotspot mundial, ou seja, uma das prioridades para a conservação de biodiversidade em todo o mundo.

Além de possuir uma extraordinária biodiversidade com mais de 12 mil espécies vegetais, sendo que ao menos 35% dessas espécies não ocorrem em nenhuma outra região do planeta, o bioma abriga total ou parcialmente oito das 12 bacias hidrográficas do Brasil. "Toda a água da bacia do Paraguai, por exemplo, é proveniente do Cerrado, ou seja, sem o Cerrado não existiria o Pantanal. Dado o inegável papel dos ecossistemas naturais do Cerrado na conservação dos recursos hídricos que, em diferentes graus, influencia a quantidade, qualidade e constância do suprimento de água doce, abre-se a perspectiva de somar forças e propósitos aos de conservação da biodiversidade no bioma", comentou o biólogo Luiz Paulo Pinto. Relembre a entrevista com Luiz sobre o Cerrado.

A melhor forma de preservar é conhecer. Selecionamos 10 parques para quem quer explorar a riqueza e exuberância do Cerrado brasileiro. A maioria está em Minas. Confira a lista e programe sua próxima viagem!

Parque Estadual do Sumidouro (MG)

A região do parque esconde histórias da ancestralidade do país, o que a tornou campo de pesquisa para naturalistas sobre os primeiros habitantes do Brasil e a megafauna extinta do país. É no cenário do Cerrado que esse passado se mostra aos olhos atentos daqueles que visitam os cerca de 2.000 hectares da unidade de conservação. Os visitantes podem conhecer atrativos como a Gruta da Lapinha, a Lagoa do Sumidouro e o Museu Peter Lund - em homenagem ao naturalista que estudou a região -, onde é possível fazer uma viagem ao passado das terras do parque. Os preços variam de acordo com o roteiro e as atrações. As visitas precisam ser agendadas previamente com a administração do parque.

Parque Nacional Cavernas do Peruaçu (MG)

O Peruaçu também ajuda a reconstruir o passado pré-histórico do território brasileiro. Dentro do parque estão mais de 140 cavernas, que abrigam milhares de pinturas rupestres e sinais da presença humana de cerca de 11.000 anos atrás. A história do parque, entretanto, é mais recente. Criado em 1999, foi aberto para visitação apenas em 2014. Quem quiser conferir a energia ancestral deste reduto de Cerrado em Minas Gerais deve contratar um guia local para poder fazer a visita.

Parque Nacional da Serra da Canastra (MG)

Criado em 1972, o parque é o lar da nascente do rio São Francisco. A vegetação típica do Cerrado cobre os quase 200.000 hectares da UC, criando um verdadeiro santuário para a fauna e flora típicas do bioma. O parque é um ótimo lugar para observar animais como o tamanduá-bandeira, o veado-campeiro e a ema.

Parque Nacional Grande Sertão Veredas (MG)

Quem já leu o romance de Guimarães Rosa "Grandes Sertões Veredas" pode facilmente imaginar os contornos e as paisagens desta UC, tão bem descritos pelo escritor. Não à toa, o parque leva o nome da obra. As veredas, cachoeiras e o encontro dos rios Preto e Carinhanha, assim como o visual do Mirante da Seriema justificam qualquer prosa e poesia. A unidade protege aproximadamente 231.000 hectares do Cerrado brasileiro na divisa entre Minas Gerais e a Bahia.

Parque Estadual do Biribiri (MG)

Localizado na Serra do Espinhaço, o Biribiri foi criado em 1998. A região chama atenção por seu relevo acidentado e multifacetado, com paredões íngremes, vales profundos e planícies de altitude. Seu território de quase 17.000 hectares é caracterizado pelos ecossistemas do Cerrado que guardam atrativos como cachoeiras, nascentes, campos de flores sempre-vivas e pedreiras.

Parque Nacional Chapada dos Veadeiros (GO)

O parque está localizado na região central do Brasil, no estado de Goiás, e no coração do Cerrado. A UC possui quase 65.000 hectares de extensão que guardam algumas das paisagens mais impressionantes do bioma. Por seu patrimônio histórico, foi declarada Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO em 2001. Existem quatro trilhas para os visitantes explorarem o parque; mergulharem em cachoeiras e rios, se deslumbrarem com os cânions, e observarem a fauna e flora típica do Cerrado.

Parque Nacional das Emas (GO)

Lá é possível observar diversas configurações do bioma, como os campos limpos, campos sujos, matas ciliares e veredas. Além disso, como o nome sugere, a observação de fauna, em especial das emas, é um dos pontos fortes da visitação. Tamanduás-bandeira, veados, lobos-guarás e outros animais característicos do Cerrado podem ser vistos por lá.

Parque Estadual do Jalapão (TO)

A unidade de conservação protege uma área de mais de 150.000 hectares que permite conhecer o Cerrado em um cenário único de interação com a Floresta Amazônica e a Caatinga. Como resultado desse encontro de biomas, a UC do Jalapão é uma unidade de muitas paisagens: cachoeiras, praias de rio, ilhas fluviais, nascentes, lagoas e dunas integram um cardápio de atrações amplo e variado.

Parque Nacional Chapada das Mesas (MA)

Esta unidade de conservação ainda não é um destino comum no roteiro de quem explora as belezas do bioma. Criada em 2005, o parque pode não ter fama, mas tem potencial e não decepciona quem se aventura por entre as paisagens do Cerrado maranhense. Toda a região pode ser contemplada de um ponto de vista privilegiado no Portal da Chapada, uma formação rochosa curiosa que é um dos símbolos da UC. Por entre as trilhas e caminhos estão cachoeiras, poços e rios de água cristalina. Animais típicos do Cerrado, como o lobo-guará e a onça-pintada, ambos ameaçados de extinção, integram a fauna do parque.

Parque Estadual de Terra Ronca (GO)

Destino popular entre trilheiros e mochileiros de plantão, o parque é um reduto de 57.000 hectares de preservação do Cerrado goiano. O parque abriga um incrível patrimônio espeleológico: são mais de 300 cavernas. A UC também protege cachoeiras e rios, além das espécies de fauna e flora características do bioma, como a onça-pintada, o lobo-guará e a coruja-buraqueira.


Com informações do Wikiparques