Informações Ambientais

Segunda Sem Carne: pelas pessoas, pelos animais e pelo planeta

Campanha sugere que cidadão deixe de consumir carne pelo menos uma vez por semana

Foto Institucional
29 de Agosto de 2016

Segunda-feira é mundialmente conhecido como o dia para mudanças, dia para tomarmos decisões e começarmos transformações. Que tal aproveitar a oportunidade e tentar algo que trará um enorme benefício para você, o planeta e os animais?

A campanha Segunda Sem Carne propõe conscientizar as pessoas sobre os impactos que o uso de produtos de origem animal para alimentação tem sobre os animais, a sociedade, a saúde humana e o planeta, convidando-as a tirá-los do prato pelo menos uma vez por semana e a descobrir novos sabores.

O projeto foi lançado em 2009 pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) e em poucos anos conseguiu a adesão de prefeituras como São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Curitiba. Um dos mais importantes desdobramentos da adesão ao movimento é a implementação da Alimentação Escolar Vegetariana. Desde 2011, cerca de um milhão de alunos da rede pública do município de São Paulo têm acesso semanal à refeições 100% livres de produtos animais. Estima-se que, todos os meses, 25 mil animais deixam de ser abatidos, 80 milhões de litros de água sejam economizados e 18 mil toneladas de poluentes atmosféricos não sejam emitidos.

Constantemente novas celebridades aderem à campanha, como o ex-Beatle Paul McCartney, Gilberto Gil, Marisa Monte, Oswaldo Montenegro, Cleo Pires, Diogo Vilela, Sabrina Sato, Luisa Mell e Bela Gil.

Confira aqui uma lista de sugestões de receitas deliciosas.

Pelas pessoas

Segundo informações disponibilizadas no site da campanha, uma dieta sem carnes favorece a prevenção de doenças crônicas e degenerativas: cardiopatias, diabetes, hipertensão arterial, obesidade e diversos tipos de câncer. Por ter tantos benefícios, dietas vegetarianas são estimuladas por diversas instituições de saúde de renome internacional, como a Associação Dietética Americana, Associação de Nutricionistas do Canadá e Instituto Americano para Pesquisa em Câncer. Desde o início de 2012, o maior Conselho Regional de Nutrição do Brasil (CRN-3) também reconhece os potenciais benefícios da alimentação vegetariana.

Pelos animais

Em todo o mundo, são criados e mortos, a cada ano, cerca de 65 bilhões de animais para produzir carnes, laticínios e ovos. Em sua maioria, estes animais sofrem em granjas de confinamento intensivo, muitas vezes sem conseguir sequer se locomover. Privação de comportamentos naturais básicos, aceleração química do crescimento, procedimentos mutilatórios e outros abusos são rotina na indústria pecuária, de acordo com a campanha. Animais são seres sencientes, capazes de sentir dor e prazer.

Pela sociedade

Em um planeta que cerca de 1 bilhão de pessoas passa fome, carnes e outros produtos de origem animal são uma fonte de alimento ineficiente, demandando grande volume de recursos naturais que poderiam ser melhor aproveitados na produção de alimentos vegetais diretamente para o ser humano. A maior parte dos grãos produzidos no mundo vira ração para alimentar animais: cerca de 60% do milho e da cevada e até 97% do farelo de soja.

Pelo planeta

O atual padrão de consumo de carnes, laticínios e ovos demanda volumes enormes de energia, terra e água, causa significativa contaminação ambiental por antibióticos e outros poluentes e emite grande parte dos gases do efeito estufa responsáveis pelas mudanças climáticas. Uma pessoa que deixa de comer carne em um único dia toda semana evita o desmatamento de seis metros quadrados de floresta e economiza mais de 700 litros de água, equivalente a mais de dez banhos.


Fonte: Segunda Sem Carne