Espécie da vez

O grande saltador macaco-barrigudo

Espécie é considerada ameaçada de extinção

Foto Institucional Macaco-barrigudo / Crédito: Helen Sacconi / TG
15 de Maro de 2016

O macaco-barrigudo (Lagothrix cana) desloca-se com rapidez incrível e pode dar saltos espetaculares de uma árvore para outra. As orelhas pequenas e a cabeça redonda, inteiramente coberta por pelos curtos, garantem uma fisionomia inconfundível a um dos maiores primatas da Amazônia. No ventre, uma pelagem longa e escura dá a impressão de barrigudo.

A cauda do macaco-barrigudo é preênsil e ele a utiliza para se pendurar nas árvores. No chão, adota posição bípede com a cauda voltada para cima. Sua alimentação é predominantemente à base de frutas, mas os barrigudos também comem folhas, sementes, insetos e aracnídeos.

Natural da América do Sul, a espécie pode ser encontrada na Bolívia, Peru e Brasil, mais precisamente nos estados de Roraima, Pará, Amazonas, Acre e Mato Grosso. Em geral, o macaco-barrigudo anda em bandos de até 20 indivíduos, devidamente equilibrados no número de machos e fêmeas. Mas também pode se dividir em subgrupos, que têm por volta de sete macacos. Por vezes, eles são vistos na companhia de macacos-aranha ou bugios.

Reprodução

O barrigudo alcança a maturidade sexual entre quatro e cinco anos. A última reprodução da fêmea acontece aos 20 anos. Depois disso, este primata vive, em média, mais cinco anos.

A gestação dura em média 225 dias e nasce um único filhote, de coloração bem mais clara que os pais. O desmame acontece aos cinco meses, quando o filhote já caminha sozinho.

Ameaças

A expansão da agricultura é um dos principais fatores que destroem os habitats do macaco-barrigudo, que sofre ainda com a caça e o tráfico ilegal. A espécie é considerada ameaçada de extinção segundo a International Union for Conservation of Nature (IUCN).

Agenda

Mobilidade Urbana e Meio Ambiente
Terça ambiental
02 de Maio de 2017