Espécie da vez

Pau-rosa: sua própria essência quase a levou à extinção

Estima-se que mais de 40 milhões de exemplares tenham sido abatidos em cerca de 10 milhões de hectares da Floresta Amazônica

Foto Institucional Pau-rosa / Crédito: http://www.plantasonya.com.br/arvores-e-palmeiras/pau-rosa-aniba-rosaeodora-ducke.html
25 de Julho de 2013

Nativa da Floresta Amazônica, o pau-rosa (Aniba rosaeodora) de longe chama atenção por sua beleza e elegância. Os espécimes podem atingir até 30 metros de altura e ter troncos de dois metros de diâmetro. Também conhecida como pau-rosa-mulatinho, pau-rosa-itaúba e pau-rosa-imbaúba, a árvore produz um óleo que é utilizado como essência na formulação de vários perfumes na Europa e Estados Unidos, entre eles o famoso Chanel N.º 5.

O Brasil é o único produtor de óleo de pau-rosa. A exploração começou na década de 1920 e o produto chegou a ser o terceiro colocado na pauta de exportações da Amazônia, ficando atrás apenas da borracha e da castanha. Nos anos 1960, a produção chegou a 500 toneladas por ano, mas declinou com a chegada de uma versão sintética do linalol, principal substância aromática do pau-rosa, e da descoberta de outras espécies com essências semelhantes.

Estima-se que nos últimos 40 anos aproximadamente dois milhões de exemplares de pau-rosa foram abatidos em cerca de 10 milhões de hectares da Floresta Amazônica. Para produzir 10 litros de óleo, uma árvore de aproximadamente uma tonelada precisava ser derrubada. Com a árvore no chão, é preciso picotar seu tronco e fervê-lo em uma caldeira para que o óleo evapore com a água e condense - técnica chamada "arraste a vapor".

Antes, a árvore era encontrada em toda a Amazônia. Atualmente, é possível vê-la apenas nos municípios de Parintins, Maués, Presidente Figueiredo e Nova Aripuanã, no Amazonas. Já não há mais exemplares também na Guiana Francesa (onde a planta começou a ser explorada no início da década de 1920), nem nos estados do Amapá e Pará.

Em 1992, o pau-rosa entrou para as listas de espécies ameaçadas do Instituto Nacional do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A árvore também está incluída nas listas oficiais de espécies em extinção da Colômbia e Suriname.

Manejo sustentável

No final dos anos 1990, um grupo de ecologistas franceses iniciou uma campanha contra os produtos da Chanel. Para conter os ânimos dos ambientalistas, a empresa contratou a ONG Pro-Natura para desenvolver programas sustentáveis de manejo do pau-rosa na Amazônia.

No método convencional, a produção do óleo é baseada na destruição total da árvore, cujo tronco é cortado, reduzido a cacos e destilado. Com a nova técnica, apenas as folhas são retiradas. De uma tonelada de folhas é possível extrair 10 quilos de óleo. O  rendimento e a qualidade da substância são semelhantes ao obtido com a derrubada da madeira.

Na última produção de óleo de pau-rosa, entre 2010 e 2011, foram extraídos e exportados cerca de 2.500 quilos de óleo de folhas de pau-rosa. Metade desse montante foi produzida a partir da nova tecnologia.

Hoje o projeto está parado.

Pau-rosa

Apesar da imponente altura, a copa do pau-rosa normalmente é pequena. Sua casca é pardo-amarelada ou pardo-avermelhada, que se desprende em placas. As folhas são simples, com as margens recurvadas ou planas. Já suas flores são amarelo-ferruginosas, hermafroditas e pequenas.

Os frutos do pau-rosa são apreciados por aves, notadamente psitacídeos e aves da família Ramphastidae (tucanos). A árvore atrai animais como periquitos, tuins, papagaios, maritacas, araras, tucanos e sanhaçus, entre outros.


Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pau-rosa
http://www.revistaecologico.com.br/materia.php?id=59&secao=862&mat=933
http://www.terradagente.com.br/flora/0,0,4,169;7,pau-rosa.aspx
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,comercio-do-pau-rosa-sera-monitorado,525803,0.htm
http://www.wikiaves.com/flora:pau-rosa

Agenda

Casa Autossustentável: É Possível?
Terça ambiental
04 de Julho de 2017