Entrevistas

Tribunal de Justiça de Minas Gerais implementa novo plano de logística sustentável
Foto Institucional Crédito: Marcelo Albert/TJMG
18 de Abril de 2016

Desde 2007, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) desenvolve ações de conscientização para economia de água, energia, telefone, correios e reciclagem de papel. No ano passado, conforme recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o TJMG criou o Núcleo Socioambiental para implementar um Plano de Logística Sustentável (PLS), lançado em fevereiro.

Entre as propostas do PLS estão consumo racional, gestão de resíduos, destinação do descarte de materiais de consumo, uso consciente do telefone e dos correios, licitações sustentáveis, reforma e construção de prédios de acordo com normas de sustentabilidade e qualidade de vida no ambiente de trabalho.

A Amda conversou com a desembargadora Mônica Libânio, presidente do Núcleo Socioambiental do TJMG, para conhecer os detalhes da nova proposta de sustentabilidade. Confira:

Amda - Os servidores das comarcas de Minas Gerais foram convidados pelo TJMG a formar, no seu local de trabalho, uma Comissão de Apoio à Logística Sustentável. Quantas comissões foram criadas?

Mônica Libânio - São 296 comarcas em todo o Estado de Minas. Deve ser criada pelo menos uma comissão por comarca e, na capital, uma comissão por edificação, portanto teremos mais de 300 comissões. Como ainda está em fase inicial o processo de sensibilização dos servidores para que se cadastrem voluntariamente, temos a princípio um total de 46 comissões já constituídas.

Amda - Há estatísticas sobre resultados, como, por exemplo, material separado para reciclagem, redução de consumo de energia, água, papel e outros materiais e, consequentemente, redução dos custos de manutenção da instituição?

M.L - No ano de 2015 tivemos uma redução do consumo de água (14,73%), de telefonia (4,54%) e de correios (9,18%).

Como o processo eletrônico está em expansão, a tendência é termos uma redução significativa no consumo de papel e um pequeno aumento no consumo de energia. Em 2015, o consumo de energia subiu 4,46% em relação ao ano anterior.

No ano de 2015, foram enviados 298 mil quilos de papel para reciclagem. E temos uma previsão para 2016 de um descarte de 1,2 milhão de processos em papel, que serão fragmentados e destinados à reciclagem, juntamente com os demais papéis descartados.

Amda - Qual o maior obstáculo do programa?

M.L - Eu diria que o maior desafio do programa é a conscientização de todas as pessoas que frequentam as dependências do Tribunal de Justiça diariamente - funcionários, advogados, jurisdicionados e o público em geral.

Amda - Todos os desembargadores participam do programa? Em caso negativo, quantos estão engajados?

M.L - Não é possível mensurar quantas pessoas exatamente estão engajadas, o programa visa atingir todos. Algumas pessoas já têm consciência da necessidade de consumir conscientemente, outras vão se conscientizar à medida em que nossas ações de comunicação forem divulgadas. O programa é muito amplo, envolve inclusive licitação de serviços e bens de empresas que atuam de forma sustentável, construção de prédios sustentáveis, economia de materiais de consumo e destinação de resíduos para reciclagem.

Amda - Quantos funcionários atualmente fazem parte do TJMG?

M.L - São ao todo 27.105, sendo 1.029 magistrados, 15.216 servidores, 4.457 estagiários e 6.403 terceirizados.

Amda - O Plano de Logística Sustentável inclui a mobilização de magistrados, estagiários e terceirizados. Como isso será feito?

M.L - Por meio de campanhas de comunicação, palestras e das comissões, que serão multiplicadoras das ações de sustentabilidade.

Agenda