Entrevistas

Ecologia de estradas: CBEE monitora atropelamentos de animais em rodovias brasileiras
Foto Institucional Alex Bager fala sobre Ecologia de Estradas na Terça Ambiental de abril / Crédito: Marina Bhering / Amda
30 de Abril de 2014

A segunda Terça Ambiental deste ano, realizada no dia 29 deste mês, abordou o atropelamento de animais nas rodovias brasileiras. O convidado da Amda foi Alex Bager, professor adjunto do Setor de Ecologia da Universidade Federal de Lavras (Ufla), graduado em Oceanologia pela Universidade Federal do Rio Grande (1994), mestrado em Ecologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997) e doutorado em Ecologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003).

De acordo com o oceanólogo, mais de 450 milhões de animais morrem atropelados em rodovias brasileiras. Isso significa que, a cada segundo, 15 bichos se envolvem em acidentes. Desse total, 390 milhões são sapos, cobras, roedores e outros pequenos vertebrados; 50 milhões são gambás, furões, macacos e outros vertebrados; e 10 milhões são onças-parda, tamanduás-bandeira, antas, jaguatiricas e outros grandes vertebrados.

Bager é coordenador, desde 2012, do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE/Ufla), órgão criado no mesmo ano para monitorar e orientar políticas relacionadas à mortalidade de fauna selvagem nas rodovias brasileiras. O CBEE desenvolveu o Urubu Mobile, uma plataforma virtual colaborativa lançada oficialmente no dia 11 deste mês. O aplicativo está disponível para tablets e smartphones e é necessário ter GPS no aparelho. Ao encontrar um animal acidentado, o usuário tira uma foto e o sistema, automaticamente, registra o local. Bager ressalta que não é preciso conhecimento técnico para usar o aplicativo. Após inserção dos dados, uma equipe avalia as informações. Todos os registros feitos no Urubu Mobile são totalmente disponíveis para consulta.

Confira a entrevista com Bager:

Amda - Quando você assumiu a coordenação do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas?


Alex Bager - Eu coordeno o CBEE desde sua criação, em fevereiro de 2012.

Amda - Como e quando surgiu a ideia de mapear os atropelamentos de animais silvestres nas rodovias brasileiras?

AB - Monitoro rodovias desde 1995, e sempre achei que ter dados de uma única área resolve problemas locais. Nosso objetivo é entender o problema em nível nacional, por isso precisamos esperar que a tecnologia nos permitisse envolver um incontável número de parceiros. Esse momento chegou e tivemos a sorte de existir uma convergência de pensamento com outros órgãos, empresas, instituições...

Amda -  Como este levantamento foi desenvolvido?

AB - O levantamento envolve tecnologia de coleta, gestão e difusão de dados. O piloto está sendo realizado com 20 unidades de conservação e recentemente foi liberado para toda comunidade poder se envolver através do lançamento do Urubu mobile.

Amda - Quantos animais morrem, anualmente, nas nossas estradas?

AB - Nossas estimativas mostram que podem ser mais de 450 milhões de animais.

Amda - O projeto sugere ações governamentais para redução dos atropelamentos? Em caso positivo, você pode citar algumas?

AB - Sim, estamos atuando em pequena escala sugerindo pontos de implantação de túneis, passagens aéreas, cercas e outras coisas, mas também estamos trabalhando com políticas públicas de grande escala, como elaboração de leis, planos de redução de impactos em biomas inteiros, planos de ação de conservação de espécies ameaçadas....

Amda - A plataforma Urubu já está no ar. Como está sendo ou como foi feita a divulgação?

AB - O Urubu tem sido amplamente divulgado nos meios de comunicação de grande escala e isso é fundamental para que tenhamos um número expressivo de parceiros coletando dados em todo território brasileiro. Até o momento o sistema já foi noticia em diversos veículos de comunicação, como a rádio CBN, revista Globo Rural, portais Planeta Sustentável e O Eco, e até um jornal da Indonésia.

Amda - Quantas pessoas já baixaram o aplicativo?

AB - Até este momento temos mais de 700 pessoas que se cadastraram no sistema e quase 1.000 que fizeram o download.

Amda - Vocês já receberam informações de cidadãos comuns?

AB - Sim, já possuímos uns 30 dados enviados por esses parceiros.

Amda - Qual a expectativa do projeto com o lançamento da plataforma?

AB - Esperamos ter mais de 5.000 parceiros em um ano e nossa expectativa é atingir entre 15 e 20 mil pessoas coletando dados permanentemente.

Quer saber como foi a palestra de Bager na Terça Ambiental? Acesse aqui! Baixe agora o Urubu Mobile e seja também um parceiro!

Agenda

Casa Autossustentável: É Possível?
Terça ambiental
04 de Julho de 2017